Mariana Carvalho lidera pesquisa para Governo; Pimenta está em 3º lugar

08/08/2017 - 17:36 hs

Porto Velho, RO - Pesquisa do Instituto Phoenix divulgada nesta segunda-feira aponta a deputada federal Mariana Carvalho (PSDB) em primeiro lugar, com 35% , nas intenções de voto para o Governo do Estado nas  eleições de  2018. A surpresa é Pimenta de Rondônia que ficou em 3º lugar.

Mariana faz parte dos planos do PSDB para ocupar à  vaga do governador Confúcio Moura, que se desincompatibilizará do cargo no próximo ano para disputar uma das duas vagas no Senado, provavelmente pelo PSB, de seu vice,  Daniel Pereira, e do ex-prefeito de Porto Velho, o  ex-deputado federal Mauro Nazif.

É que, embora duas  vagas estejam em disputa para o Senado em 2018 – a de Ivo Cassol (PR) e a de Valdir Raupp (PMDB) -, dificilmente os peemedebistas lançariam dois candidatos do mesmo partido, daí a possibilidade de  Confúcio deixar o PMDB e disputar o Senado pelo PSB.

GURGACZ

Na pesquisa  do Instituto Phoenix, o senador e empresário Acir Gurgacz (PDT), do grupo Eucatur, aparece em segundo lugar, mas bem atrás  de Mariana nas intenções de voto. Ele  tem apenas 18,9%.

A surpresa da pesquisa  é a intenção de voto de Pimenta de Rondônia, do PSOL, que aparece em terceiro lugar com 11,7%. Ele pode estar pontuando acima das expectativas em função do quadro de decepção do eleitor com os políticos tradicionais. Além disso, Pimenta já é conhecido por ter disputado várias eleições majoritárias, ocupando espaço no rádio e na televisão.

IVO CASSOL / MAURÃO DE CARVALHO

O senador Ivo Cassol (PR), com 9,5% das intenções de voto, vem logo atrás de Pimenta de Rondônia e  na frente do presidente da Assembleia Legislativa de Rondônia, Maurão de Carvalho, com 8, 8% das intenções de voto para o Governo.

Daniel Pereira/ Everton Aguiar

Na sequência aparecem o promotor de  Justiça Everton Aguiar, do Ministério Público de Rondônia, com 4,5%; o  vice-governador de  Rondônia,  Daniel Pereira (PSB), com 4,2% , e o  juiz de Direito aposentado Léo Fachin, com 2,7%.

A pesquisa ouviu novecentas e  onze pessoas no período de  4 a 8 deste mês. A margem de erro é de  2,83% para mais ou para menos. O estatístico responsável é  Augusto da Silva Rocha. A sondagem foi contratada pela Associação de Defesa dos Direitos  da Cidadania. 


Fonte: O OBSERVADOR